7 Sinais, que Mostra, que Estamos Caminhando para Extinção em Massa

08:00 Bruno Lima 1 Comments

7 Signs We Are Heading for a Mass Extinction

Hoje, alguns cientistas acreditam que estamos na iminência de uma sexta extinção em massa
que pode acabar com a maior parte da vida na Terra. Aqui estão sete sinais de que eles podem estar certos.

Uma extinção em massa acontece quando mais de 75% de todas as espécies do planeta morrem em um período de menos de dois milhões de anos. Isso pode parecer muito para você, mas é um piscar de olhos no tempo geológico. Houve cinco extinções em massa na Terra nos últimos 540 milhões anos.

A Terra está borbulhando com supervulcões


O Parque de Yellowstone, nos Estados Unidos, é na verdade uma cratera vulcânica, uma fina camada de terra que fica no topo de uma enorme caldeira. E esse supervulcão pode explodir a qualquer momento. A última vez que a Terra testemunhou uma explosão desta dimensão foi em 1812, quando o Monte Tambora, na Indonésia, entrou em uma erupção tão grande que o clima da Terra esfriou por vários anos. Ainda mais assustador é a perspectiva de que um outro tipo de super-vulcão, chamado LIP, pode se tornar ativo em algum momento no futuro. O LIP, agora inativo, surgiu há 250 milhões de anos na Sibéria. Ele vomitou tanto carbono e outros gases de efeito estufa no ar que a Terra sofreu uma catastrófica mudança climática, oscilando loucamente entre calor e frio extremos, onde até 95% de toda a vida morreu.

Espécies invasoras estão em toda parte

Na Terra, os seres humanos têm agressivamente invadido todos os continentes, exceto a Antártida, inchando nossa população em mais de 7 bilhões de pessoas. Isso pode forçar muitas criaturas a mudar seu habitat, provocando mudanças em toda a cadeia alimentar. Cerca de 359 milhões anos atrás, 75% de todas as espécies na Terra morreram durante a extinção em massa do período Devoniano. Os geólogos acreditam que essa extinção foi resultado de espécies invasoras.

Mudanças Climáticas


A calota de gelo do Ártico está encolhendo. As temperaturas estão subindo. Os cientistas de vários países estão unidos em sua crença de que o clima na Terra está ficando mais quente. A boa notícia é que os seres humanos podem não ser a única causa da mudança climática – o planeta sofreu com mudanças dramáticas na temperatura muitas vezes ao longo de sua história. A má notícia é que praticamente todas as vezes que isso acontece também ocorre uma extinção em massa. A primeira extinção em massa, há 540.000 mil anos atrás, foi desencadeada por uma idade de gelo rápida seguida de um período de rápido efeito estufa. Outra extinção em massa no final do Triássico causou incêndios maciços em todo o mundo, o que sufocou o planeta em fumaça e cinzas.

A acidificação dos oceanos



Os níveis de ácidos nos oceanos da Terra estão subindo, o que está matando todos os recifes e tornando a vida difícil para os mariscos. A acidificação dos oceanos já causou uma extinção em massa no período Triássico, há 200 milhões de anos, que acabou com 80% das espécies do planeta – especialmente nos oceanos. Quando as águas estão muito ácidas, os níveis de cálcio descem. Isso significa que as criaturas sem casca simplesmente não podem construir suas conchas, e morrem antes mesmo de ter uma chance de lutar. Quando as criaturas sem casca morrem, os predadores que se alimentam delas também morrem, e por aí vai.

Extinções estão acontecendo em uma taxa superior à média

Extinções são normais. Na verdade, os estatísticos que estudam as extinções descobriram um número normal de criaturas que estão sendo extintas a qualquer momento. Assim, uma extinção em massa é como um grande pico estatístico. E, infelizmente, há uma grande quantidade de evidências de que a taxa de extinção que temos experimentado ao longo dos últimos 500 anos é superior à taxa normal. Não, essa taxa não é nada perto dos níveis de extinção em massa. Mas ela está subindo, algo que é exatamente o que você esperaria ver no início de uma extinção em massa.
Todos os megafaunas estão mortos


Uma maneira de os cientistas descobrirem a taxa de extinção é olhando para a diversidade de fósseis. Com base nessas evidências, eles podem descobrir como muitas criaturas e plantas estavam vivos em um determinado momento, além de como rapidamente (ou lentamente), elas desapareceram do registro fóssil. Em registros fósseis mais recentes, dos últimos 50 mil anos, podemos facilmente ver um declínio na diversidade de espécies. A Terra foi recentemente lar de muitas espécies dos chamados megafaunas, de mastodontes, cangurus gigantes e preguiças gigantes. Quando você vê uma categoria inteira de criaturas que desapareceram rapidamente (em tempo geológico), é sinal de que uma extinção em massa pode ocorrer em breve.

Os anfíbios estão morrendo

Hoje, estamos testemunhando um outro grupo gigante de espécies em extinção tão rapidamente que podemos realmente medir em tempo humano, ao invés do tempo geológico. Anfíbios, principalmente sapos, estão morrendo em um ritmo avassalador. A maioria foi derrubada pela rápida propagação de um fungo mortal que mata comunidades inteiras de rãs em semanas. É provável que o fungo atingiu proporções pandêmicas, já as rãs estão sendo expulsas de seus habitats, e entrando em contato com novas espécies que nunca poderiam ter visto de outra forma. Quanto mais nós perdemos nossa diversidade animal, mais nos aproximamos de um mundo dominado por espécies invasoras. E esse cenário realmente não terminou bem na extinção em massa do período Devoniano. 


Fonte: io9



Um comentário :

  1. Leia também:
    NOTÍCIAS SOBRE A MORTE DA TERRA : ACONTECIMENTOS FINAIS - GAZETA GALÁTICA DE 2040
    http://civilizacaocosmica.blogspot.com.br/2015/02/aviso-sobre-morte-da-terra-noticias.html

    ResponderExcluir